segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Gênero textual: Carta – Texto epistolar

(1) Trabalho apresentado aos colegas da EE João Baptista Marigo Martins


*atualizado em 30.09.2011

Gênero textual: Carta – Texto Epistolar

Definição de carta:

Carta é uma mensagem [comunicação breve que transmite uma informação] escrita que se envia a uma pessoa, geralmente num envelope; missiva, epístola.
(Mini Dicionário - Houaiss: 2004)

Carta é um escrito que se envia a outrem com cumprimentos, pedidos, ordens, notícias etc; epístola; missiva.
(Grande Enciclopédia Larousse Cultural. Círculo do livro:1988)

Carta é um escrito, fechado em envelope, que se dirige a alguém; missiva.
(Dicionário Michaelis – UOL – Eletrônico)

Carta é uma Correspondência [ação de trocar informação] escrita que se envia a uma ou várias pessoas; missiva; epístola.
(Mini Dicionário – Caldas Aulete: 2004)

Carta é uma comunicação (informação, esclarecimento) manuscrita ou impressa devidamente acondicionada e endereçada a uma ou várias pessoas; missiva, epístola.
(Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 5.0 – 2004)

Resumindo:

A carta é um texto escrito no qual alguém transmite uma informação a um destinatário ou leitor, que interpreta o sentido e assume determinada atitude diante da informação recebida.
[Enciclopédia do estudante; Vol. 08; pág. 156.]

Proposta Curricular do Estado de São Paulo:

A Proposta curricular do Estado de São Paulo de Língua Portuguesa trabalha em todas as séries do Ensino Fundamental e Médio o eixo de organização: Tipologia Textual  e Gêneros Textuais diversos.

Tipologia textual:

Nas situações reais de comunicação, diferentes textos, compostos em diferentes linguagens, podem apresentar uma organização interna semelhante.
Dolz; Pasquier e Schnouwly organizam os textos em 5 tipos:

1 - Narrar:
É a capacidade de criar uma história verossímil;

2 - Relatar:
É a representação pelo discurso de experiências vividas, situadas no tempo;

3 - Descrever ações (instruir):
É a regulação mútua de comportamentos;

4 - Expor:
É a apresentação textual de diferentes formas de saberes;

5 - Argumentar:
É a sustentação, refutação e negociação de tomadas de posição.


Gênero textual:
É um nome que se dá às diferentes formas de linguagem que circulam socialmente, sejam elas formais ou informais.


TIPOLOGIA TEXTUAL   (X)   GÊNERO TEXTUAL

NARRAR: Fábula; crônica; conto; romance...

RELATARCarta; notícia; entrevista; currículo...

ARGUMENTAR: Editorial; requerimento; anúncio publicitário..

EXPOR: Seminário; verbetes em geral; relatório...

DESCREVER AÇÕES
[INSTRUIR]Receitas; regras de jogos...


O Gênero textual carta:
                         
O gênero textual carta pessoal classifica-se na tipologia relatar, que tem a característica principal de representar pelo discurso as experiências vividas, situadas no tempo.

O Texto epistolar:
Epístola é uma palavra de origem latina cujo sinônimo é carta. É, portanto, uma forma de expressão escrita, em geral com finalidade prática. Os textos epistolares são, normalmente, escritos alternando-se a primeira e a segunda pessoa do singular (eu/tu).

EXEMPLO:

CARTA LITERÁRIA:

Quero que abras os olhos, Eugênio, que acordes enquanto é tempo.”

Peço que pegues a minha Bíblia que está na estante de livros, perto do rádio, leias apenas o Sermão da Montanha. Não te será difícil achar, pois a página está marcada com uma tira de papel.”
[Olhai os lírios do campo, Érico Verissimo]

            Linguagem:

Por meio de uma carta, é possível saber o nível cultural dos interlocutores, sua personalidade e o tipo de relação que existe entre eles. Pode-se entender a epístola como uma variante de conversação oral em forma escrita. Por isso, o estilo epistolar caracteriza-se por apresentar espontaneidade, naturalidade, sinceridade, cortesia, e afeto.


Tipos de carta e suas características:

Existem diferentes tipos de carta; elas variam de acordo com o seu propósito e conteúdo e com a pessoa a quem são dirigidas (destinatários). Cada tipo caracteriza-se por um uso particular da linguagem:

Entre amigos: Tem estilo despojado, revela familiaridade e afabilidade, de acordo com o grau de intimidade com o destinatário.

Comercial: Apresenta estrutura fixa. Estilo breve e cortês.

Propagandística: Dirigida ao público amplo, aparece em jornais, revistas e outros tipos de publicação.

Familiar: Manifesta carinho e afeto a um familiar.

Informativa: Utiliza-se para comunicar decisões, convocações, acordos etc.

Literária: Reflexo dos sentimentos e sensações do autor ou de personagens de uma obra literária.

Social: Comunicações sobre atos sociais, participações de eventos, convites etc.

De agradecimento: Expressa admiração ou gratidão por um favor realizado.

De felicitação: Envia-se por ocasião de bodas, aniversário, formatura ou outro acontecimento feliz.

De pêsames: Escrita motivada pelo falecimento de alguém íntimo do destinatário.

Tratamento:

Deve-se selecionar o tratamento dado ao destinatário:     a escolha do tratamento mais adequado (senhor, Vossa Excelência, você) ou o grau de cortesia presente no texto informam o tipo de relação que existe entre os interlocutores.

Características Gerais das Cartas:

O que os alunos devem saber:

Remetente: aquele que escreve a carta;

Destinatário: aquele para quem a carta foi escrita;

Local e Data: lugar e data em que foi escrita,

Saudação e Vocativo: modo de chamar a pessoa a quem se destina e o nome do destinatário;

Conteúdo: corpo da carta;

Desfecho/despedida: encerramento;

Assinatura: carta pessoal não usa sobrenome;

P.S.: post-scriptum [latim] = “depois de escrito”;

E.t. : em tempo;

C.E.P. : Código de endereçamento postal com oito dígitos (XXXXX-XXX);


Carta Pessoal:

A carta pessoal é um texto escrito em papel, geralmente fechado, que uma pessoa manda a outra. É um dos meios de comunicação mais antigos e pode-se recorrer a ele para contar fatos da vida cotidiana, fazer um convite, felicitar, agradecer, enviar alguma informação importante, fazer críticas ou reclamar de algum acontecimento desagradável.
Costumava-se escrever as cartas pessoais à mão, mas hoje em dia muitos preferem usar o computador para redigir e depois imprimir o texto.

ENVIANDO UMA CARTA:



  

TIPOS DE ENVELOPE:






Partes da Carta Pessoal:

Podem se dividir as cartas pessoais nas seguintes partes:

1 – Cabeçalho;
2 – Saudação e vocativo;
3 – Corpo do texto;
4 – Despedida e assinatura;
      5 – Pós-escrito.                  

Exemplos:

1 – Cabeçalho:
Na margem superior esquerda escrevem-se tanto o local como a data em que a carta é redigida.
[Santo André, 08 de setembro de 2011]

2- Saudação e Vocativo:
Há várias formas de expressar a saudação, em geral utiliza-se: “Querido/querida”; “Caro/cara”, ou dependendo do grau de intimidade: “Oi, tudo bem?”; até saudações formais: “Estimado/ estimada”.
[Vocativo: Nome do destinatário]

[Cara Cecília,]

3- Corpo da Carta:
            Nessa parte se redige a informação que se quer transmitir. Normalmente, inicia-se com um parágrafo introdutório sobre o objetivo da carta.

[Por fim encontrei um pouco de tempo para poder te contar tudo que passei nestas últimas semanas...]

4- Despedida e Assinatura:
Existem diferentes formas. As mais comuns: “Com carinho”; “Um abraço”; “Atenciosamente” e “Saudações”.
                      
[Um forte abraço do seu amigo,
                                                            
                                                                                  CARLOS]




5- Pós-escrito:
É usado quando se quer acrescentar uma informação após o final da carta. Indica-se esse elemento com a abreviatura P.S. (post-scriptum ‘em latim’ = após o escrito).

[P.S.: Diga-me quais são as melhores datas para que eu vá ao Rio de Janeiro visitá-la, assim vamos nos organizando.]



SARESP 2009 – PROPOSTA DE CARTA PESSOAL

MODELO APRESENTADO:

1 - TEXTO NÃO-VERBAL: IMAGEM




2 - TEXTO VERBAL: CARTA PESSOAL MODELO
           
Querida Leninha,
                      
Aconteceu nesta semana uma novidade tão boa, que tinha que te contar depressinha! Lá na biblioteca da Escola peguei um livro chamado REINAÇÕES DE NARIZINHO do Monteiro Lobato. Comecei a folhear meio de nariz torto, porque era muito grosso, parecia que não ia acabar nunca e que ia ser uma baita duma chateação.

Li o comecinho e o que vinha depois e mais depois e quando percebi, já tinha dado o sinal pra voltar pra sala e eu sem conseguir tirar os olhos daquela delícia deliciante. Suspirei, pedi emprestado e levei pra casa. Não fiz mais nada o dia inteiro. Nem de noite. Nem na manhã seguinte e na outra e outra. Não consegui nem piscar antes de acabar.

Tem umas lindezas de arrepiar como quando a Narizinho casa com o Príncipe Escamado e a Dona Aranha faz um vestido tão lindo pra ela, feito só de cores, que até o espelho arregalou os olhos de espanto e rachou em seis partes. Quando for grande, vou ter um assim. Se não, morro. Quando eles passeiam pelo Reino das Águas Claras, dá vontade de ir junto e ficar rodopiando na boniteza...

Quando a Emília, a boneca de macela, toma a pílula falante e desembesta numa falação sem tamanho, é de morrer de rir. E logo logo, sem a gente perceber direito, ela vira gente. Apronta, inventa, encara. Demais!

O livro todo é uma surpresa. Você pensa que vai acontecer uma coisa e... acontece outra! Muito mais divertida e mais maravilhenta do que a minha cabeça poderia inventar. É só gostosura!

Tudo acontece no Sítio do Pica-pau Amarelo onde só moram crianças e avós, o Marquês de Rabicó, que é um porquinho que come tudo que vê pela frente, a espevitada Emília e um sabugo de milho que é um sábio de cartola e que sabe tudo sobre todas as coisas: o Visconde de Sabugosa. Quando eu mandar na minha vida, vou me mudar pro Sítio do Picapau Amarelo e viver também no bem bom. No mundo inteiro, não tem lugar como aquele... “O Sítio é gostoso como um chinelo velho."

Nem posso acreditar que já tenho mais de 8 anos e só agora é que li um livro do Monteiro Lobato. Perdi o maior tempo desta minha vida. Se ainda não leu nada dele, corra pra conseguir um livro e ficar abraçada de alegria.
           
Beijos da
                                                          
                                   Alice

[Negrito = conversação oral em forma escrita.]


Fonte: http://www.vidaslusofonas.pt/monteiro_lobato.htm (Acesso: 15 set. 2009. [Adaptado])


3 - PROPOSTA DA REDAÇÃO SARESP 2009:

Redija também uma carta para um (a) amigo (a) contando sobre um livro de Monteiro Lobato ou de outro escritor que você leu recentemente e revele os motivos de sua admiração. Não se esqueça de colocar, no início, o nome da pessoa a quem a carta se destina e, no final, o nome do autor da carta, que é você. Escreva seu texto na folha a ele destinada.


CORREÇÃO:

AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS:

1 – TEMA:
Será avaliado como ocorreu a compreensão da proposta de redação e seu desenvolvimento no texto produzido.

2- GÊNERO:
Será avaliado o conhecimento organizacional do gênero, ou seja, o domínio do uso das características básicas do gênero carta pessoal.

3- COESÃO/ COERÊNCIA:
Será avaliada a manutenção da perspectiva da autoria, do remetente, do assunto/informação e dos elementos de tempo e espaço, na organização da sequência lógica dos enunciados.

4- REGISTRO:
Será avaliada a aplicação das convenções e normas do sistema da escrita: (ortografia, segmentação de palavras, frases e parágrafos, concordância e regência, pontuação).


BIBLIOGRAFIAS:

Enciclopédia do estudante: redação e comunicação: técnicas de pesquisas, expressão oral e escrita. Augusta Magalhães de Moraes... [et al.] – 1ª. Edição – São Paulo: Moderna, 2008 – Volume 8;

Manual de Redação – Saresp 2009

Proposta Curricular do Estado de São Paulo – Língua Portuguesa, 2008;

Ivan Leite – Santo André – 08.09.2011 – Inverno – 10h00m

Nenhum comentário: